Gente que inspira

Pages

25 de mai de 2014

A Morte em miniatura







O Jogo de Areia é um método junguiano não verbal, um procedimento psicológico de acesso ao inconsciente muito eficaz e lúdico por essência, visto que são utilizadas miniaturas de diversas categorias, com quais são montadas, pelo paciente, cenas reveladoras. Mas o tema central aqui não é o Jogo de Areia em si.  Este é um relato que aborda um tema de um modo geral evitado pelas pessoas: a Morte!
Não é novidade nenhuma que a Morte foi praticamente banida de nossas vidas, apesar do inevitável encontro com ela a qualquer momento. A maioria dos doentes morre no ambiente frio de um hospital. O velório – realizado comumente, no passado, na sala de estar das casas – hoje é realizado nas salas dos cemitérios reservadas para isso. E, assim, vamos colocando a Morte cada vez mais longe de nós. A arte tumular, com toda a sua riqueza simbólica, também foi desaparecendo entre nós. E se perdeu, assim, a poesia da Morte.
Ao começar a minha coleção de miniaturas para o Jogo de Areia, tinha em mente encontrar logo a pequena urna funerária, peça imprescindível, no meu entender, justamente pela pluralidade de situações que ela pode representar. Porque morrer não é só um evento biológico; morremos muitas vezes no decorrer de uma só vida; a cada transformação profunda; a cada passagem de fase; a cada perda. As pequenas mortes nos preparam para a Passagem final. Ou pelo menos deveriam.
Demorei um pouco para adquirir a peça tão essencial da minha coleção. Não encontrava em lugar nenhum e, a cada pergunta sobre ela, nos vários lugares por onde passei, via caras de espanto, feições contraídas, estranhezas. E eu só estava procurando por uma miniatura, como tantas outras, assim eu pensava.
Acredito muito na Vida que nasce da Morte. Ela parece mais plena. E insisti na busca do pequeno ataúde. Queria que fosse uma peça feita com arte e delicadeza. Busquei através da internet, em vão. Por pura coincidência, encontrei no facebook a página de um artista genial que trabalha com perfeitas miniaturas de móveis. Anotei o e-mail e enviei-lhe uma mensagem. Sabia que miniaturas artísticas com aquela qualidade não seriam baratas, como outras miniaturas que compramos em vários lugares. Por outro lado, também o artista nunca havia feito a miniatura de um caixão. Mas ele topou o desafio e uma pessoa muito querida quis me dar o presente.
Wilson Rodrigues, o artista paulista, contou-me que a peça fez o maior sucesso entre amigos e parentes. Falou também que, ao chegar aos correios para pesar a miniatura que enviaria via sedex, as moças que lá estavam não queriam tocar na miniatura. Mas felizmente ela chegou, junto com um brinde do artista, a adorável miniatura de uma cadeira.
Não, a grande maioria das pessoas não vê beleza na pequena peça artística, feita com esmero, com perfeição. Na mais recente aula do Jogo de Areia, com a competentíssima professora Aicil Franco, levei a peça para mostrar às colegas. Houve quem não quisesse tocar. Mas o reconhecimento da perfeição da miniatura foi unânime. Isso ninguém pode negar.
Há uma espécie de rito para “batizar” as miniaturas adquiridas, que se dá montando uma cena com ela. Eu ainda não havia feito, e tratei de dar vida ao meu caixãozinho tão especial. A imagem está aí. Instintivamente, coloquei na cena uma miniatura de uma mulher grávida. Porque toda morte – biológica ou não – traz a vida.
Esse é mais um recurso utilizado também na Arteterapia, e os resultados são surpreendentes.
Sugiro também a visita à página do artista miniaturista Wilson Rodrigues, no facebook. É De Jó miniaturas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Deixe aqui suas impressões, reflexões, dúvidas.