Gente que inspira

Pages

30 de ago de 2013

Ponte para a linguagem dos sonhos (Oficina Sonhar com as Mãos)







 A linguagem abafou a voz. A voz verdadeira, essa que não encontra palavras que lhe sirvam de passagem. Na Arteterapia me pediram pra emitir o meu som, cantar a minha canção e dançar a minha dança. Eu não sabia que existiam dentro de mim. Eu não sabia se conseguiria. Mas eu quis tentar. Um pássaro cantou suavemente pela minha boca. Um canto inédito. Um mundo novo mostrou-se aos poucos. Nós somos apenas o invólucro do Mistério. E ele não se revela através de uma única linguagem, um único padrão. Ele silva, gorjeia, urge, brade... Ele se mostra no falso ilogismo  das linguagens oníricas. Ele transforma a vida num assombro – aquele que nós perdemos ao desenvolvermos sobre os olhos a catarata do desencanto.

Bachelard mais uma vez e sempre: primeiro sonha-se, depois se contemplar. O que contemplamos hoje já o sonhamos antes de algum modo. Mas já não reconhecemos os nossos sonhos quando ele tenta infiltrar-se em nossa vida arrumadinha, embora infeliz. Essa voz que é a voz da noite, desconhecemos. Embora seja ela a nossa voz original. Precisamos debulhar as palavras, descosturá-las, dissolvê-las, até que encontremos o primeiro sinal da nossa voz primal, da nossa voz original, e diminuir a distância entre os mundos diurno e noturno. Até que possamos ficar mais inteiros.

A 1ª oficina Sonhar com as Mãos será o primeiro passo dado em direção à Palavra Encantada – foco de nossa 2ª oficina do Sonhar, dando prosseguimento à primeira. E a proposta foi concebida de modo a trabalharmos o nosso lado direito do cérebro, nossa intuição, criatividade, originalidade. Para isso, é necessário que possamos continuar buscando a nossa própria voz no território da não-palavra. As mãos serão o nosso instrumento de materialização de sonhos. Mas não sonhos padronizados, sonhos condicionados: serão nossos sonhos únicos e reais.

Não, essa não é uma aventura para qualquer um. O Sonhar com as Mãos é um convite àqueles que buscam defrontar-se, sem medo, com o seu verdadeiro eu, multifacetado, mas nem por isso sem harmonia. Não teorizaremos o sonho: viveremos eles!

Não estou fora dessa aventura, muito pelo contrário. Será uma aventura vivenciada por todos nós. Construir os mais profundos, verdadeiros e exilados sonhos. Entregar-se aos sentidos. Compreender que pelas mãos olhamos, escutamos, sentimos, aspiramos, inspiramos, criamos. Já temos a metade das vagas preenchidas, mesmo antes da abertura das inscrições, no próximo dia 1º. E as reservas podem continuar a serem feitas pelo e-mail trcontreiras@gmail.com. Sonhemos com as mãos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Deixe aqui suas impressões, reflexões, dúvidas.